Depois de vários dias de impasse e já fora do prazo formal para a aprovação do orçamento plurianual da União Europeia, Hungria e Polónia acordaram dar um passo atrás e desbloquear o orçamento europeu e o fundo de recuperação que ajudará os Estados-membros a contrariar os efeitos da pandemia da covid-19.

O anúncio foi feito esta quarta-feira, 9 de dezembro, pelo vice-primeiro-ministro polaco Jaroslaw Gowin, que informou que os dois países chegaram a um acordo com a Alemanha, que assegura a presidência semestral rotativa do Conselho da UE, para desbloquear o orçamento plurianual da UE para 2021-2027, de 1,08 biliões de euros, e o Fundo de Recuperação pós-pandemia que lhe está associado, de 750 mil milhões.

O governante sublinhou que o acordo pode agora ser apresentado aos restantes Estados-membros e estar totalmente finalizado na sexta-feira.


"Por enquanto, temos um acordo entre Varsóvia, Budapeste e Berlim", afirmou Jaroslaw Gowin em declarações aos jornalistas em repórteres em Varsóvia. "Acredito que este acordo incluirá também as restantes 24 capitais europeias".

Gowin escusou-se a adiantar mais detalhes sobre o acordo, dizendo apenas que mantém "a Polónia soberana e a UE unida".

O orçamento da UE e o fundo de recuperação haviam sido bloqueados pelos dois países, por discordarem da condicionalidade no acesso aos fundos comunitários ao respeito pelo Estado de Direito. O impasse ameaçava não só os 180 mil milhões de euros que a Hungria e a Polónia deveriam receber nos próximos anos, mas também os fundos de que os Estados-membros tanto necessitam para recuperar da crise induzida pela pandemia.


O bloqueio por parte dos dois países também desencadearia um orçamento de emergência para a UE a partir de 1 de janeiro, que veria o financiamento cair em quase todas as áreas.

O entendimento é agora alcançado um dia antes do início do Conselho Europeu, agendado para esta quinta e sexta-feira (dias 10 e 11 de dezembro) e no qual os líderes da UE terão de assinar qualquer acordo.

Ainda ontem a Alemanha havia alertado para os riscos de não existir acordo para avançar com os estímulos, vistos como essenciais para ajudar os Estados-membros a relançarem as suas economias, fortemente afetadas pela crise.


"Seria irresponsável atrasar ainda mais este apoio essencial para os nossos cidadãos. Precisamos de desbloquear rapidamente este apoio financeiro que é tão crucial para muitos Estados-membros", disse o ministro alemão para a Europa, Michael Roth.

"As consequências sociais e económicas da crise estão a tornar-se cada vez mais visíveis", salientou Michael Roth, recordando ainda que em julho foi acordado "um pacote de recuperação muito substancial" e que todos os Estados-membros se comprometeram com os princípios do Estado de Direito como "um valor essencial da União".

Praia da Vitória

Ilha Terceira

Notícias Regionais

Economia

Praia Links

Outras Notícias

Mundo

Sociedade

Saúde

Desporto

Podcast