Várias agências posicionadas para ajudar

A Organização das Nações Unidas (ONU) diz que continua preocupante a situação de segurança em Palma, Cabo Delgado, depois do ataque de 24 destes mês, que terá provocado a morte de dezenas de pessoas.

“A situação de segurança permanece volátil e preocupa a todos nós,” informou, hoje, 31, o porta-voz Stephane Dujarric, em Nova Iorque.

Metuge: Campo de deslocados do centro agrário de Napala. Distribuição de alimentos por PMA a deslocados da insurgência em Cabo Delgado. Moçambique

Governo errou ao não criar centros para acolher os deslocados de guerra em Cabo Delgado, diz o CIP
Dujarric disse que, em resposta, várias agências da ONU estão no terreno, tendo a que lida com a migração registado até agora cerca de oito mil chegadas em Nangade, Mueda, Montepuez e Pemba.

Milhares de pessoas chegaram hoje, 31, a Pemba, disse Dujarric, que referiu que outras tantas tentam chegar a lugares seguros a pé, de barco ou por estrada.

”Algumas pessoas são salvas por voos humanitários da ONU e de grupos da sociedade civil,” disse.

Dujarric disse que o Fundo da ONU para a População está colocar nalguns pontos de Cabo Delgado kits de parto e medicamentos para as mulheres grávidas e mães.

Por outro lado, o Programa Mundial da Alimentação aumentou a ajuda para alcançar 50 mil pessoas afectadas pelo ataque a Palma.

A ONU garante na região uma ponte aérea para o transporte de medicamentos e outros bens urgentes.

Conselho de Segurança?

Questionado se não era altura de a questão de Moçambique ser levada ao Conselho de Segurança, tendo em conta que os ataques são atribuídos a um grupo ligado ao Estado Islâmico, Dujarric destacou a importância da ajuda, e recordou que a ONU tem um enviado que lida com isso.

“Penso que é importante que comunidade internacional, neste momento, apoie Moçambique da melhor forma possível”, disse.

Vila de Palma, Cabo Delgado

Analistas defendem declaração de estado de guerra em Cabo Delgado
Mas antes, numa declaração conjunta, a Representante Especial para Crianças e Conflitos Armados, Virginia Gamba; a Representante Especial para Violência Sexual em Conflitos, Pramila Patten; e a Representante Especial para a Violência contra Crianças, Najat Maalla M'jid, haviam condenado “veementemente os actos brutais e horríveis de violência relatados em Cabo Delgado”.

Elas sublinharam que “a protecção e as necessidades humanitárias dos civis, especialmente mulheres e crianças, devem ser tratadas com urgência”.

Praia da Vitória

Ilha Terceira

Notícias Regionais

Economia

STARTUPS

Outras Notícias

Mundo

Sociedade

Saúde

Desporto

Podcast