O baterista e compositor Francisco Matada Pereira ou Chico Matada diz que quer ajudar a colocar a música de Moçambique, seu país, no mundo.

“A música moçambicana não é muito conhecida no mundo. No meu trabalho de fim do curso, pretendo pesquisar os ritmos do meu país e partilhar com a audiência ocidental, uma forma de exportar a cultura,” diz Chico Matada.

Chico Matada vive em Helsínquia, a capital da Finlândia, onde faz estudos de música global e lidera um quarteto de jazz.

O seu interesse pela música despertou na adolescência, na década de 1990, em Maputo. Nessa altura, conta, “abandonei a escola, porque queria ser artista”, uma ideia reprovada pela mãe.

Após uma breve passagem pelo grupo cultural Mahamba – Voz Verde, no seu bairro da Maxaquene, com marcas salientes das diferenças sociais de Maputo, Matada executou o seu plano de atravessar a fronteira, sem os documentos exigidos.

Na altura dessa aventura, Chico Matada tinha 19 anos. Acreditava que haveria de caminhar até Joanesburgo, essa cidade sul-africana destino de muitos moçambicanos, com os mais variados sonhos.

Naquela cidade, Chico Matada estudou música e tocou, entre outros, com os irmãos Novella, também de Maputo.

Sonhador, em 2008, Chico Matada mudou-se para a Dinamarca, onde continuou os estudos na Academia Real de Música, em Aarhus.

Em 2016, Chico Matada apresentou o seu primeiro disco, “Reflections”, com elementos de jazz, xigubo (uma dança guerreira do seu país) e outros géneros.

Notícias Regionais

Outras Notícias