Pela primeira vez, os participantes na Web Summit vão poder deixar as moedas e notas em casa. A SIBS e a empresa que gere a cimeira tecnológica renovaram a parceria pelo terceiro ano consecutivo, o que permite aos atendees fazer pagamentos eletrónicos em todo o recinto da conferência, que se realiza em Lisboa no próximo mês de novembro.

O evento tornou-se, assim, 100% cashless (sem dinheiro físico). O CEO e fundador da Web Summit, o empreendedor irlandês Paddy Cosgrave, garante que a organização pretende construir uma experiência de compra cada vez mais simples para os empresários, oradores, investidores e outros participantes.

Em comunicado, a dona da rede Multibanco refere que terá sistemas no Parque das Nações que aceitam todo o género de meios de pagamento digitais, incluindo pagamentos com cartão e aplicações móveis.

O ministro Adjunto e da Economia considera que este acordo permite novamente “posicionar Portugal como um país inovador e que reforça continuamente a aposta na digitalização da economia” e a inclusão dos pagamentos digitais. “A possibilidade de exibir a inovação tecnológica nacional num evento com tão grande visibilidade internacional, e a associação a uma marca tão forte como a Web Summit oferece à tecnologia cashless portuguesa uma grande notoriedade”, afirma Pedro Siza Vieira.

“Num evento tão focado em tecnologia e inovação, faz todo o sentido que os pagamentos cashless sejam uma realidade”, assegura a presidente executiva da SIBS, Madalena Cascais Tomé, acrescentando que uma sociedade mais cashless traz “claros benefícios para o dia a dia das pessoas, oferecendo mais tempo para o que realmente interessa e reforçando a economia digital como um todo”.