Em 1962, o cosmonauta russo Alexei Leonov, fez história, ao tornar-se o primeiro ser humano a sair de uma cápsula espacial e andar no espaço. Morreu na sexta-feira, aos 85 anos, após um longo período de doença, em Moscovo, anunciou a agência espacial russa, Roscomos.

Embora seja menos conhecido internacionalmente do que Iuri Gagarin – o primeiro homem a viajar no espaço, igualmente russo – Leonov era bem conhecido na Rússia, e não só pelo seu papel na missão Voskhod-2, quando deu o primeiro passo no ensaio actividades extra-veiculares que vieram a ser fundamentais para construir estações espaciais, por exemplo.

O seu passeio espacial, a 18 de Março de 1965, durou 12 minutos e nove segundos. O seu fato espacial foi feio de oxigénio e inflou tanto durante a saída para o espaço que ele não cabia na escotilha quando pretendia regressar à cápsula soviética. Teve de deixar sair oxigénio do fato para poder regressar à segurança da Voskhod-2. Um dos objectivos da sua missão era, precisamente, testar o equipamento e o fato espacial.

“Saltei para aquele vazio e não caí”, recordou o cosmonauta anos mais tarde. “Fiquei hipnotizado pelas estrelas. Estavam em todo o lado, em cima, em baixo, à esquerda, à direita. Ainda consigo ouvir a minha respiração e o bater do meu coração naquele silêncio.”

Dois meses depois, o astronauta norte-americano Edward White seguiu as suas passadas, durante a missão Gemini 4, a 3 de Junho de 1965.

Leonov, um piloto militar de formação, foi o comandante da missão russa Soyuz 19, que fez a primeira acoplagem com um veículo espacial norte-americano – a missão Apolo comandada por Thomas Stafford – durante o projecto experimental Apolo-Soyuz, em Julho de 1975.