Estudo mostra que os níveis de inovação e os resultados financeiros são superiores em empresas com CEOs naturalmente criativos.

Empresas lideradas por CEOs que já tiveram experiências pessoais com a inovação e que são responsáveis pela invenção de algum produto ou serviço têm melhores resultados, patentes com maior valor comercial e impacto superior nas suas atividades, mostra uma pesquisa publicada no Journal of Financial Economics.

O estudo teve como principal objetivo compreender se a experiência pessoal com a inovação antes de assumir o controlo de uma empresa torna os CEOs mais capazes de liderar um processo de inovação bem-sucedido, explicam os autores à Harvard Businness Review.

Para isso, foram analisados os históricos de patentes registadas desde 1975 de 935 atuais CEOs de empresas de tecnologia de capital aberto, listadas na bolsa nos Estados Unidos. No final do levantamento, constatou-se que, pelo menos, 1 a cada 5 empresas tiveram um CEO com perfil de inventor. Entre eles estão Bill Gates, fundador da Microsoft e Steve Jobs, da Apple.

Em relação às tecnologias, a pesquisa também mostrou que empresas com líderes inventores são capazes de patentear e oferecer produtos e serviços de tecnologia com valor comercial superior e maior aceitação do mercado em comparação com empresas não lideradas por inventores. As inovações associadas a essas patentes também são de natureza radical, com produtos inéditos e de grande impacto. Para essa análise, foram comparadas apenas empresas com o mesmo tempo de existência e do mesmo ramo de atividade entre os anos de 1992 e 2009.

Entre as principais vantagens em se ter um líder inventor, o estudo apontou o desenvolvimento da perceção de prioridade e facilidade em criar um ambiente criativo dentro das empresas. A experiência prévia do CEO com inovação também permite um impulso para a criação de tecnologias relevantes, inovadoras e com resultados positivos.

Em contrapartida, os CEOs ao não serem inventivos podem concentrar-se menos na inovação e mais em outros aspetos mais burocráticos do cargo, como relatórios, controlo interno e sistemas de monitorização, por exemplo.