“A mercearia que vai até tua casa das 19h às 4h da manhã”. Este é o lema da Night Shift, uma mercearia 100% digital que presta serviço de venda e entrega de produtos à noite, e que está interessada em encontrar um investidor para aumentar o negócio.

Falta-lhe um produto de mercearia em casa e não tem tempo de ir à loja ou já está tudo fechado? Nem tudo está perdido. A Night Shift, uma plataforma criada em 2018, tem a solução para o seu problema. Criada por Miguel Sena e Bernardo Uva, e com o apoio de uma equipa de mais quatro elementos, é uma start-up 100% portuguesa que se dedica à entrega de produtos de mercearia à noite.

Esta mercearia online surge da constatação dos seus mentores de uma lacuna neste setor, que se propuseram colmatar. “No fundo percebemos que havia uma lacuna no mercado. Se por um lado já existiam as grandes plataformas de delivery mundiais a atuar em Portugal (isto é Glovo ou Uber Eats), por outro lado não comercializavam produtos de mercearia e dependem sempre de um terceiro para conseguir recolher os produtos. Nós não. Temos o nosso armazém e stock próprio (dark store), temos frota própria, shifters próprios e um site totalmente desenvolvido por nós”, esclareceu Miguel Sena.

Atualmente, a plataforma já tem mais de três mil clientes registados, afirma-se pronta para responder aos pedidos notívagos dos lisboetas, e tem mais de 600 produtos no seu portefólio.


Os fundadores da Night Shift numa ação de solidariedade

Expansão para novas cidades
O target da Night Shift vai dos 18 aos 80, explicou Miguel Sena, como ficou provado durante este período de pandemia durante o qual tiveram vários clientes com mais de 75 anos. Contudo, num cenário normal, o serviço é maioritariamente usado por jovens adultos, urbanos e estudantes com idades entre os 20 e os 35 anos.

Geograficamente, as entregas estão a ser efetuadas na zona da Grande Lisboa e ainda em Alfragide, Miraflores, Algés, Portela, Sacavém e Prior Velho. Contudo, a ambição do projeto é chegar ao Porto, onde já tem uma forte comunidade de fãs. Contudo, a equipa Night Shift acredita que as principais capitais de distrito, e sobretudo aquelas que tiverem estruturas universitárias, são localizações óbvias para uma futura expansão. Mas as ambições são geograficamente mais amplas, já que acreditam poder vingar no mercado europeu. “Claro que existem algumas empresas em algumas cidades, mas genuinamente nenhuma apresenta um modelo e proposta de valor como a nossa”, assegura Miguel Sena.

Saltar para próximo nível
“Temos vários pilares estratégicos para os próximos 2 a 3 anos. Sem entrar em detalhes podemos afirmar que as grandes prioridades passam pela expansão da empresa a nível geográfico, desenvolvimento da plataforma de um ponto de vista tecnológico e ainda consolidação da equipa e marca”, afirmou Miguel Sena.

Como explicou o cofundador da empresa, neste momento precisam de “propostas sérias de pessoas ou entidades que percebam o nosso modelo de negócio e que acreditem tanto ou mais do que nós na Night Shift”.

Miguel Sena lembra que o mercado de digital grocery é tido como um dos que irá crescer mais nos próximos anos, e que a pandemia só veio acelerar ainda mais esta tendência. “Nós já conseguimos o mais difícil, que foi criar a empresa, criar uma marca, criar uma base de clientes sólida e parcerias estratégicas com grandes grupos internacionais do setor FCMG”. Agora, frisa, “só pedimos investimento sério para saltarmos para o próximo nível”.

Ou seja, procuram investidores “que queiram sonhar tão alto como nós, tendo como base números sólidos de um negócio que já provou ser sustentável e com uma margem de crescimento exponencial”. E, acrescentou, “acreditamos, no entanto, que o crescimento exponencial que tivemos durante a pandemia sirva de íman para atrair propostas mais concretas e que nos ajudem de facto a dar o salto”. O desafio que Miguel Sena faz ao mercado é claro: “juntem-se a nós para revolucionar o mercado de digital grocery na Europa”.