Foi criada em plena pandemia no Brasil. Agora procura expandir-se para Portugal para continuar a criar ferramentas para tornar o mundo mais inclusivo, aliando o design e a tecnologia como instrumentos de transformação de crianças com deficiências.

Desenvolver ferramentas digitais customizáveis e inclusivas para o treino de capacidades motoras e cognitivas de crianças em tratamento de reabilitação neurológica. É este o objetivo da Techtale, semifinalista da 11.ª edição do Concurso Banco Montepio Acredita Portugal, que procura estabelecer parcerias com clínicas de reabilitação pediátrica ou terapeutas pediátricos autónomos, escolas, editoras de livros, criadores de jogos para continuar a sua missão em Portugal.

A história da Techtale começou durante a pandemia de 2020, quando Gloria Brandão se depara com a missão de continuar com as terapias da sua filha em casa, ou seja, com a realização de atividades de fonoaudiologia, terapia ocupacional e fisioterapia com suporte profissional à distância.

Com o tempo dedicado à elaboração dos materiais que seriam utilizados em cada uma das terapias, a empreendedora brasileira percebeu que eram diversas as funções acumuladas durante o dia e que as rotinas deveriam ser “mais coloridas, lúdicas e empáticas”.

A CEO da Techtale frequenta clínicas de reabilitação diariamente desde 2015, quando, aos três meses, a sua filha recebeu o diagnóstico de paralisia cerebral. Enquanto arquiteta, projetou centros de reabilitação, clínicas e consultórios e, como ilustradora, criou desenhos e historinhas, baseados no que vivencia diariamente.

A Gloria Brandou juntaram-se ainda Fernanda Urbano, designer gráfica, e Elaine Brandão, gestora de negócios e vendas, e terapeuta integrativa. As três tornaram-se sócias e partilham o mesmo propósito: promover a inclusão através da diversão.

A primeira versão da plataforma está quase finalizada. O lançamento oficial está marcado para 12 de outubro de 2021, mas até lá qualquer terapeuta tem acesso a alguns dos recursos através do site da Techtale.

PUB

CONTINUAR A LER 

 Com os pés no Brasil, mas os olhos em Portugal

Todos os produtos da Techtale são desenvolvidos com a ajuda de terapeutas de fala, terapeutas ocupacionais e professoras. O objetivo é, segundo Gloria Brandão, “auxiliar terapeutas especializados na reabilitação neurológica pediátrica a desenvolver capacidades motoras e cognitivas nos seus pacientes, através de jogos e ebooks que podem ser customizados, de acordo com as necessidades específicas de cada criança”.

Ainda de acordo com a responsável, “as nossas ferramentas incluem: diferentes graus de dificuldade (para estímulos de coordenação motora grossa e fina), ajustes cores de fundo e de objetos (proporcionando maior contraste para quem tem baixa visão ou reduzindo a luminosidade de quem tem fotofobia), redução da quantidade de elementos no ecrã (aumenta o foco para crianças com dificuldade de atenção ao reduzir a quantidade de objetos que possam causar dispersão), feedbacks visuais (para crianças com baixa acuidade auditiva), feedbacks sonoros (para crianças com baixa visão), entre outras funcionalidades”.

Outra das características dos produtos da Techtale são as pranchas de comunicação alternativa integradas nos jogos, que permitem que, a partir de qualquer dispositivo e sem necessidade de uma aplicação instalada, seja possível estabelecer uma comunicação com crianças não verbais, seja a partir de imagens ou de símbolos.

Entre as dificuldades que têm encontrado, as empreendedoras destacam o acesso ao mercado e a criação de uma rede de contacto.

Por isso, neste momento, as empreendedoras procuram estabelecer parcerias com clínicas de reabilitação pediátrica ou terapeutas pediátricos autónomos (terapeutas de fala e terapeutas ocupacionais), escolas, editoras de livros e criadores de jogos em Portugal.

“Hoje Portugal é reconhecido como um exemplo de boas práticas de inclusão nas escolas, sendo comumente citado em estudos sobre ações de inclusão nas escolas. Queremos aprender e mostrar para o mundo que sim, é possível termos uma sociedade mais empática e inclusiva. E, muito disso, se deve ao empenho de professores e terapeutas no auxílio do aprendizado destas crianças”, frisa Gloria Brandao.

Resumo:
Responsáveis: Gloria Brandão, Fernanda Urbano e Elaine Brandão
Área: Saúde
Produto: Ferramentas digitais para treino de capacidades motoras e cognitivas de crianças em tratamento de reabilitação neurológica.
Mercado: Portugal
Necessidade: Networking e parcerias com clínicas de reabilitação pediátrica ou terapeutas pediátricos autónomos, escolas, editoras de livros, criadores de jogos e web.
Contacto: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Comentários