Especialistas da Faculdade de Ciências admitem que Portugal pode estar a entrar na 5.ª vaga de covid-19 e defendem o reforço da vacina em grupos etários onde os novos casos têm aumentado, mesmo que tenham baixo risco de doença grave.

Num artigo datado se segunda-feira, Manuel Carmo Gomes e Carlos Antunes, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, defendem que, para que o coronavírus não interfira com a normalização da vida dos portugueses, deve combinar-se a manutenção de uma elevada proteção da população com reforços de vacinação em faixas etárias onde têm aumentando mais os novos casos, mesmo que tenham menor risco de doença grave.

“Deve ser assegurada a manutenção de elevado grau de proteção imunológica da população portuguesa. Se necessário, administrando reforços vacinais em grupos identificados como tendo maior risco de infeção e de transmissão do vírus, e não apenas aos de maior risco para doença grave”, escrevem.

Os especialistas lembram que, nas últimas semanas, as idades onde o risco de infeção tem sido mais elevado se situam entre os 18 e os 25 anos, seguidos das crianças com menos de 10 anos e dos jovens adultos entre 25 e 40 anos de idade.

Estas idades, sublinham, aumentaram “a socialização após 01 de outubro, quando o país entrou na terceira fase do desconfinamento, associado aos 85% de cobertura vacinal alcançada”.

Recordam que, pontualmente, têm ocorrido alguns surtos em lares de idosos, “originando incidências elevadas em maiores de 70 anos”, mas – insistem – “globalmente não são os mais idosos que têm originado mais casos”.

Contudo, frisam, “continuam a ser os mais idosos os mais suscetíveis a doença grave, justificando hospitalizações e, eventualmente, óbitos”.

PUB

CONTINUAR A LER

Como exemplo, indicam que, ao longo do mês de outubro, “os maiores de 70 anos representaram cerca de 70% dos internados em enfermaria covid-19 e cerca de 91% dos óbitos, mas apenas 15% das infeções ocorridas”.

Defendem que só a combinação de elevada cobertura vacinal com a manutenção de medidas não farmacológicas, sobretudo o uso de máscaras e o arejamento de espaços fechados, pode retardar significativamente a propagação do SARS-CoV-2.

“O incumprimento de pelo menos um destes requisitos é uma explicação provável para o ressurgimento da infeção a que assistimos presentemente na Europa, mesmo em países com 60% a 75% da população vacinada, como é o caso do Reino Unido, Bélgica, Holanda, Alemanha, Grécia e Irlanda”, escrevem.

No artigo divulgado no ‘site’ da Faculdade de Ciências da Universidade Nova, Manuel Carmo Gomes (epidemiologista) e Carlos Antunes (matemático) dizem que “é previsível” que neste outono e inverno Portugal continue a ter “uma incidência diária de várias centenas de casos e um pequeno número de óbitos”.

“Na verdade, os recentes dados do início de novembro sugerem um ressurgimento apreciável da infeção, sendo provável que estejamos a assistir ao início da 5.ª vaga”, acrescentam.

Praia da Vitória

Ilha Terceira

Notícias Regionais

Economia

STARTUPS

Outras Notícias

Saúde