O Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, Tibério Dinis, refere que a Base das Lajes, o Porto Oceânico e a sustentabilidade ambiental do Concelho serão “pilares do futuro” da Praia da Vitória, sublinhando o potencial geoestratégico e geopolítico que o Concelho continuará a ter, mas exigindo maior “poder de influência e decisão” sobre as grandes infraestruturas no seu território localizadas.

Discursando na sessão solene comemorativa do 40.º aniversário da elevação da Praia da Vitória a Cidade, este domingo à noite, no Auditório do Ramo Grande, Tibério Dinis frisou “o orgulho em reconhecer os 500 anos de história de Vila e os 40 anos de história da Cidade”, sem deixar de perspetivar um olhar para o futuro.

“Estes últimos 40 anos foram profundamente influenciados por duas infraestruturas que marcam o nosso território e marcam a riqueza e os empregos que foram gerados no nosso território: a Base das Lajes e o Porto Oceânico. E se os últimos 40 anos foram marcados por estas infraestruturas, não tenho dúvidas, que os próximos 40 anos continuarão a ser marcados por estas instalações”, disse.

No entanto, acrescentou, estas valências militares, comerciais e económicas “fundamentais para o território e população praienses”, passam ao lado da capacidade de decisão e de influência de todos os cidadãos, pelo que, defendeu, “é fundamental que o poder local e, até mesmo o próprio Governo Regional, tenham mais poder de influência e de decisão sobre estas infraestruturas”.

Perante uma plateia repleta de entidades, entre elas militares e políticas, o autarca salientou que “pelo peso que a Base das Lajes tem no nosso território, é muito pouca a capacidade de influência e decisão que temos”, registando que ao poder local e ao poder regional sobram “a influência da reivindicação e da persuasão, mas, efetivamente, a influência e a capacidade de decisão não”, pelo que, insistiu, dossiers tão sensíveis para o território, para as populações e para as economias como a Praia da Vitória, a ilha Terceira e os Açores, “devem estar mais regionalizados e mais junto do poder local”.

“E o mesmo digo relativamente ao Porto Oceânico que, apesar de ser um setor regionalizado, bem sabemos que os lobbies económicos, as influências dos principais setores e os grandes players dos transportes marítimos acabam, através de um denominador comum, por influenciar aquelas que possam ser as nossas estratégias”, prosseguiu.

Neste sentido, Tibério Dinis exortou “à união de esforços”, alegando que este é o tempo “de uma junção de forças, mantendo cada um a sua diversidade de opinião, mas é tempo de encontramos um caminho comum para estes dois pilares do nosso Concelho, para podermos ser cada vez mais persuasivos e reivindicativos sobre o que queremos para o nosso território”.

PUB

CONTINUAR A LER

Futuro sustentável

Olhando para o futuro, o edil praiense continua a ver a Base das Lajes e o Porto Oceânico da Praia da Vitória “como pilares fundamentais” do desenvolvimento da Cidade e do Concelho, mas, alerta, “não podemos descurar que estas duas infraestruturas, pelas novas dinâmicas da Base das Lajes e pelo papel do Porto da Praia da Vitória, terão que criar e assegurar mecanismos de sustentabilidade ambiental”.

Porque, frisou, “o legado que queremos deixar às gerações futuras é um futuro com melhor qualidade de vida e com um ambiente melhor, pelo que urge criar uma simbiose entre estas valências, que gerem sustentabilidade económica e financeira, mas aliada a uma sustentabilidade ambiental que é fundamental”.

Assim, sublinhou Tibério Dinis, “a Praia da Vitória continuará a ter um papel importante a dizer na geoestratégia e na geopolítica mundiais, mas sempre com sustentabilidade ambiental, até porque a nossa natureza, a nossa riqueza paisagística, gastronómica e cultural e o nosso povo acolhedor, são mais valias turísticas que temos que preservar, para preservarmos todas as nossas características intrínsecas”.

Homenagens

O Presidente do Município endereçou ainda uma mensagem particular a todas as entidades e personalidades que foram homenageadas e agraciadas no âmbito destas celebrações, deixando “um agradecimento profundo a todos” pelo que têm desenvolvido e realizado em prol da Cidade e do Concelho.

Assim, receberam medalhas de mérito municipal o Centro Comunitário do Espírito Santo da Vila Nova, o Clube de Judo da Praia da Vitória, a Escola Profissional da Praia da Vitória e a GRATER – Associação de Desenvolvimento Local das Ilhas Graciosa e Terceira (todos pela passagem do seu 25º aniversário), assim como a Caixa Económica da Misericórdia de Angra do Heroísmo (pelo seu 125º aniversário). Já quanto a individualidades foram agraciados com medalhas municipais de mérito e reconhecimento os cidadãos Paulo Guilherme Vieira Ormonde, Domingos Alberto de Aguiar Borges e, a título póstumo, José Tomás Ataíde da Cunha.

Antes de terminar o seu discurso, Tibério Dinis sublinhou o facto de “podermos estar hoje, de novo, aqui, a celebrar esta efeméride”, para “deixar, mais uma vez, o meu profundo agradecimento e reconhecimento a todos aqueles que, ao longo do último ano, estiveram na linha da frente do combate à pandemia, nas Instituições Particulares de Solidariedade Social, nos Bombeiros, nas Unidades de Saúde, nas Forças de Segurança, nas entidades Militares ou até grupos de voluntários, porque foi pelo esforço que desempenharam no passado que nos permitiu voltar hoje a celebrar”.

Após os discursos e as homenagens decorreu um momento musical protagonizado pelo guitarrista Jonathan Afonso.

 

Praia da Vitória

Ilha Terceira

Notícias Regionais

Economia

STARTUPS

Outras Notícias

Saúde